#tbt🔙📸 A Estrada de Ferro Dona Teresa Cristina

The Donna Thereza Christina Railway Company Limited começou a ser construída em 1876, tendo sido inaugurada em 1884. A obra foi empreendida por investidores ingleses que contaram com a mão-de-obra nacional (brasileira) para realizar o trabalho. No início, realizava o transporte de carvão entre o porto de Imbituba a Minas (município de Lauro Müller). A inauguração da estrada de ferro representou para região sul a chegada do “progresso” e como um símbolo da chegada da civilização industrial, pois a ferrovia e o carvão foram as molas propulsoras da Revolução Industrial na Europa.

Contudo, o investimento não rendeu o esperado. Os ingleses desistiram devido à baixa qualidade do carvão que não compensava um grande aporte de capital. A companhia de carvão foi desativada em 1887 e a estrada de ferro foi mantida com os investidores ingleses até 1902, quando foi adquirida pelo governo federal. Segundo Nascimento, a ferrovia só sobreviveu durante esse período “transportando mercadorias e passageiros no vale do rio Tubarão” (2004, p. 28).

Em 1919 a Estrada de Ferro Dona Thereza Cristina (EFDTC) já sob nova administração foi aberta ao tráfego provisório e, em 1923, fora aberta ao tráfego de passageiros, realizando o ramal Lauro Müller /Criciúma ao porto de Imbituba e Laguna, o que incluía uma importante faixa litorânea no transporte de cargas e de passageiros. Com a ferrovia, a circulação de pessoas tornou-se intensa. O complexo expandiu-se ao longo da primeira metade do século XX, em conjunto com a demanda nacional de carvão mineral para siderurgia, transporte e energia (termoelétrica).

Na foto acima, do final da década de 1930, o trem da Estrada de Ferro passa pela ponte de cabeçuda, município de Laguna. A paisagem do mar que se espraia ao fundo da foto contrasta com a locomotiva que atravessa ao meio, levantando a fumaça; em cima e atrás do trem encontram-se trabalhadores da estrada de ferro; a fotografia dá um sentido de que o trem, representando o “progresso”, está cruzando a região, e levando junto consigo as pessoas, que através do trabalho, ligam-se a esse suposto progresso.

 

Fotografia: Ponte da Estrada de Ferro Teresa Cristina, Laguna/SC. Atual Ponte Ferroviária das Laranjeiras ou Ponte de “Cabeçudas”, 1936. Foto do Centro de Memória e Documentação CEDOC-UNESC.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

dezoito − 14 =