#tbt🔙📸 Criciúma: Futebol, Tradição e Identidade

A história do futebol em Criciúma se entrelaça com a própria história da cidade, nascendo da força e do suor dos trabalhadores das minas de carvão. A paixão pelo esporte se entranhou na identidade do povo criciumense, se tornando um símbolo de união e tradição.

Desde o início do século XX, times surgiam da união dos operários, como o Metropol, Ouro Preto, Atlético Operário e Próspera. Cada carbonífera tinha seu time, palco de confraternização e escape da dureza do trabalho. Jogar futebol era mais do que um hobby, era um direito conquistado e uma forma de fortalecer o sentimento de pertencimento à comunidade.

Em 13 de maio de 1947, surge o Comerciário Esporte Clube, fundado por jovens do centro da cidade. A década de 50 foi marcada por títulos e conquistas regionais, culminando na inauguração do Estádio Heriberto Hülse em 1955. O auge do Comerciário veio em 1968, com a conquista do primeiro título estadual, superando o Caxias por 2 a 0. Valdomiro Vaz Franco, ídolo do time, despontava para o futebol nacional.

A década de 70 foi marcada por desafios. Em 1970, o Comerciário foi obrigado a encerrar as atividades profissionais devido à crise financeira. O retorno em 1977 foi difícil, com a equipe buscando se reerguer e conquistar a torcida. A solução veio em 1978: a mudança de nome para Criciúma Esporte Clube. A partir dessa mudança, o Tigre iniciou sua jornada de ascensão meteórica, com títulos nacionais e internacionais que o colocaram no cenário futebolístico nacional.

O Estádio Heriberto Hülse, carinhosamente apelidado de “Majestoso”, se tornou um templo do futebol, palco de grandes vitórias e momentos marcantes. A torcida, conhecida por sua paixão e vibração, é um dos pilares do sucesso do clube.

O Criciúma Esporte Clube representa a tradição e a identidade do povo criciumense. O clube é motivo de orgulho para a cidade e contribui para a união e o desenvolvimento da comunidade. Mais do que um clube de futebol, o Criciúma é uma paixão que une gerações e se perpetua no tempo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

sete − um =